segunda-feira, 30 de maio de 2011

confessions of a teenager #1

... but i'm in love ❤
And it makes my day, everyday.

sábado, 28 de maio de 2011

quinta-feira, 26 de maio de 2011

thanks for the memories

Ontem mandaram-me um mail com o livro de turma que fizemos no 8º ano! Quantas lembranças... aqui está o auto-retrato que eu fiz, uma bela coisa! Ahah

quarta-feira, 25 de maio de 2011

filosofar, filosofando #1

« A felicidade é o estado no mundo de um ser racional para o qual, na totalidade da sua existência, tudo ocorre segundo o seu desejo e a sua vontade e funda-se, pois, na harmonia da natureza com o fim integral desse ser e igualmente com o princípio determinante essencial da sua vontade. (...) [Ora], não existe na lei moral a menor razão para uma conexão necessária entre a moralidade e a felicidade (...). Assim, a causa suprema da natureza, enquanto ela se deve pressupor para o soberano bem, é um ser que, pelo entendimento e vontade, é a causa (por conseguinte, o autor) da natureza, isto é, Deus. (...) Eis porque a moral não é propriamente a doutrina sobre como nos tornamos felizes, mas como devemos tornar-nos dignos de felicidade. Só quando a religião se acrescenta é que também surge a esperança de um dia participarmos na felicidade na medida em que tivemos o cuidado de dela não sermos indignos. »
Kant


Não acredito em Deus. Posso ser nova de mais para dizer tal coisa, mas até à data não à nada em concreto que me leve a acreditar numa entidade (abstracta) suprema e omnipresente. No excerto de uma obra de Kant que transcrevi para aqui, fala da possibilidade da existência de Deus como um refúgio onde os terrenos encontram esperança para a sua vida quotididana. Eu não quero esperança. Quero mudança, quero atitude, quero força - que provenientes de um forte desejo trazem a melhor das coisas: a felicidade. É o que mais me interessa. Mas isso depende de cada um de nós. Individualmente. Não acho que seja algo que surja convenientemente a cada um. Embora valorize muito a fé como uma coisa pessoal. Eu, por exemplo, tenho fé nas minhas acções. Tenho fé que a maioria delas dê resultado, dê frutos, me traga felicidade. Isso é a . É acreditar nas pessoas, eu acredito nas pessoas. Mas quem sabe se mais tarde me arrependerei do que digo... Até lá, tenho legitimidade para o fazer.

terça-feira, 24 de maio de 2011

coisas parvas ditas da boca pra fora #1

que azia. porque é que me ralo com coisas que não valem a pena?
é preciso é manter a calma...

sábado, 21 de maio de 2011

quinta-feira, 19 de maio de 2011

my guitar is my new best friend

Já chegou a minha guitarra lindiii! Um dia destes quando souber tocar tão bem como o Santana ponho aqui um vídeo castiço a mostrar os meus dotes (ou não). De qualquer forma estou *radiante*!
Oooh olha minha menina *.*
 Para os interessados, é uma Yamaha C40 Black.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

terça-feira, 17 de maio de 2011

segunda-feira, 16 de maio de 2011

"the key to change... is to let go of fear."

VOU PINTAR O CABELOOO! 
É bom mudar, é bom seguir aquilo que sentimos para nos sentirmos bem connosco próprios. Vai ser uma experiência, depois logo se vê. Apetece-me mudar um bocadinho esta rotina, e esquivar-me aos poucos da monotonia que nos consome todos os dias. No fundo, sou muito apologista de que as pessoas devem mudar todos os aspectos possíveis nas suas vidas, nem que seja só para se sentirem bem porque no fundo é isso que importa! Estarmos bem connosco mesmos.
E que tal parece a cor? Linda não é?

day 29 - a song from your childhood

Não Há Estrelas No Céu - Rui Veloso
http://www.youtube.com/watch?v=m3zO1ovQZX8

Lembro-me tão beeeem de o meu pai me levar todos os dias para o infantário... de estar a descer a rua da minha casa (ainda em Coimbra) lá atrás na cadeirinha para bebé a cantar com todo o afinto e dedicação possível de um verdadeiro intérprete! E era Rui Veloso quem eu cantava e imortalizava :) para sempre!

domingo, 15 de maio de 2011

day 28 - a song that makes you feel guilty

Judas - Lady Gaga

Pronto agora cabe-me a mim explicar o porquê desta escolha.. esta música seduz-me de tal forma que consigo ouvi-la vezes sem conta sem me saturar, e sem sequer pensar minimamente no significado retorcido, ou provavelmente na ausência de um que a música poderá eventualmente transmitir, o que de facto me faz sentir culpada :| mas é que é tão, tão... catchy.

sábado, 14 de maio de 2011

day 27 - a song that you wish you could play

Why Georgia - John Mayer
Esta música é tão linda, tão linda, tão linda, (...) tão linda.
Marry me John Mayer!

day 26 - a song that you can play on an instrument

When The Saints Go Marching In - Louis Armstrong

Se isto não é a coisa mais sublime que já ouviram de toda uma jazz selection, then kill yourselves. BLACK POWER!
And guess what? Consigo tocá-la em piano e flauta!

mindfuck #2

mindfuck #1

quarta-feira, 11 de maio de 2011

day 25 - a song that makes you laugh

The Stereotypes Song - Your Favorite Martian
(http://www.youtube.com/watch?v=wCgx8zM3woQ)

Eu rio-me ao ouvir esta música porque de facto tem o seu q de graça, mas na verdade não tem piada nenhuma. De todo.

terça-feira, 10 de maio de 2011

day 24 - a song that you want to play at your funeral

Death and All His Friends - Coldplay


(vou continuar aqui o desafio, em vez de o fazer via facebook.)

segunda-feira, 9 de maio de 2011

sábado, 7 de maio de 2011

movie time

Cheguei agora a casa, e pelo que me parece o Easy A já acabou de sacar!
*YAY* 
 
So... vou fazer umas pipocas e enfiar-me numa manta na sala.
Sweet dreams peeps, wish you all a good night :)

deal with it


Aqui há dias lembrei-me de uma das últimas aulas do período passado. Como não tinhamos nada para fazer e houve alguém que se lembrou que podíamos ver um filme, assim foi. É mais um daqueles filmes série B que de vez em quando conseguem puxar-nos para o riso, embora não da maneira mais legítima... ainda assim, fazem-no. E é assim que surge esta parte do filme em que se me solta um daqueles risos monumentais...


Só que ainda me tento dar ao trabalho de explicar porque é que tinha TANTA piada, mas a reacção das outras pessoas...


*AAAAARRRRGHHHH*

quinta-feira, 5 de maio de 2011

"intermitências da vida"

Nascemos todos iguais: frutos de um desejo ou mero acaso, mas sob a mesma consequência – sobreviver e aprender a lidar com as circunstâncias externas que rapidamente nos são impostas, a partir de nós e em paralelo com toda uma massa populacional, a que normalmente chamamos família, amigos, ou outros indivíduos, com quem não mantemos qualquer tipo de elo ou ligação, também porque assim o destino o quis. Nascemos inocentes e sem qualquer noção de futuro ou de tempo próximo. Crescemos, aprendemos, e passado algum tempo há já dentro de nós uma força que nos puxa para satisfazer uma vontade própria, pela procura, pela preferência, pela aparência, sabendo que o segredo por detrás destas escolhas é sempre uma boa sedução. Ao longo desta fase de crescimento, somos predominantemente seduzidos pelo invulgar, pelo paranormal, pelo diferente, pelo perigoso e pelo arriscado que nos atraiem mais do que qualquer tipo de característica casual e que consegue criar dentro de nós um efeito ímpar e que nos leva a optar por rumos mais obscuros, deixando de lado o que mais nos distinguia, o que tínhamos de mais puro. Pois bem, essa é a grande fatalidade. No entanto, há sempre quem nos diga que fases como esta são passageiras, meramente efémeras e que muito ainda é aquilo que nos falta descobrir. Uma vez crescidos, amadurecidos, conhecedores e respeitadores de toda uma comunidade, encaramos agora com outros olhos o verdadeiro mundo exterior que já há muito nos esperava. Pobreza e miséria, violência e guerras, fome e epidemias. A sociedade está desde há um tempo condenada a termos como os que enunciei. Faz então parte de nós lutar pela diferença. Levar a união como uma resistência, e levar a resistência como solução. Aí, a solução é a união. Não é mais do que o maior dilema de sempre. Um dilema que leva cada um de nós, enquanto cidadãos cientes e conscientes, enquanto seres humanos racionais e sensíveis que somos, a pensar no que poderíamos ter feito. Mas não fizémos. E aí, aproxima-se um fim. Mas não é dramático. É do conhecimento de todos que tudo tem o seu oposto. Se nascemos, vamos morrer. E depois, morremos. Morremos iguais. Morremos que nem indigentes. Pobres de espírito, pobres de emoção, pobres e com falta de alguma realização. Só está nas tuas mãos, assim como está nas minhas, amar o próximo, estar em paz para connosco e zelar pela subsistência da nossa comum existência.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

the oldest, the best.

Já há uns dias que estou a fazer um desafio que encontrei no facebook sobre música (30 Day Song Challenge) e eis senão que o dia de hoje (#19 dia segundo o desafio) me leva a abrir o baú e encontro esta preciosidade:
Black Eyed Peas - The APL Song

Sim, porque esta música pertence ao auge dos Black Eyed Peas, que para mim têm vindo a regredir e só e apenas a diminuir de qualidade... Essas músicas novas que andam por aí são do mais comercial que se pode encontrar -.- quem aprecia os BEP por aí, então tem de conhecer a verdadeira essência deles ouvindo por exemplo esta música. Só o trabalhão que tive para conseguir este cd na altura... estava esgotado em todo o lado, fui comprá-lo a uma discoteca! Ahah.
Ponham os olhos nesta música e nesta mensagem!

terça-feira, 3 de maio de 2011

you know my name, not my story.

festival secundário - GOUVEIA 2011

Festival Secundário de Gouveia 2012? 9º edição? É MESMO PRECISO PERGUNTAR?!


Aconselho com todas as minhas forças à juventude deste país que está no secundário a participar neste festival. Foi qualquer coisa de fantástico, sem dúvida. 4 noites & 5 dias a acampar, com muito espírito de convívio, muita diversão, muita coisa que fazer e para não falar nas noite que é a pura da loucura! 

(vejam)

segunda-feira, 2 de maio de 2011

não susceptível para menores

"Osama Bin Laden é dado como morto a 1 de Maio de 2011" é mesmo?

Sinceramente não estou nem aí para tirar as minhas próprias conclusões. Achei isto na internet quando me dei ao trabalho de ver se a besta tinha mesmo falecido.

quit smoking, today

domingo, 1 de maio de 2011

mother's love since 1995

Feliz dia da Mãe, MÃE ♥

Obrigada por teres investido em mim tanto quanto eu te amo hoje. Obrigada por me teres dado, e continuares a dar aquilo que podes e não podes. Obrigada por todos os dias me dares algo a que chamo de felicidade, todos os dias, quando acordo e sei que te tenho, mais do que nunca. "Obrigada" não seria suficiente para te agradecer tudo aquilo que fazes por mim. Mas "amo-te" sim, descreveria perfeitamente o sentimento que cada a cada dia aumenta e aumenta. E que me faz ainda mais feliz por saber que é recíproco. AMO-TE!